O que te faz levantar de manhã?

By July of 2011Blog, Caos, Cotidiano
Quem não odeia?

Já tem tempo que quero escrever sobre isso, mas, na boa, tava com medo de cair exatamente no exemplo do texto e parecer tudo muito incoerente. Mas vou escrever. Escrever sobre vontade, sobre tesão, sobre algo que tem me incomodado imensamente nos últimos meses.

O que te faz levantar de manhã?

Olhando para os lados, e também para a frente, tenho visto uma penca de descontentes com o mundo, com a vida, com a profissão, com o chefe, com o cliente, com a mãe, com a namorada, com a esposa, com o ca… Uma penca de mimados(as) que só faltam (e as vezes nem isso falta) sapatear e choramingar quando algo dá errado ou não sai da maneira esperada. Gente que até resolve um problema, mas não sem antes espernear e mostrar o quanto está insatisfeito em fazer o seu trabalho, em mostrar a que veio ao mundo, ou o que quer dele.

Quem não odeia?

Convenhamos: se tem uma coisa fácil nesse mundo, é reclamar. Se tem outra coisa bem fácil é encontrar um problema em alguma coisa, qualquer coisa. Quer outra coisa mais fácil ainda? Jogar a culpa desse problema/erro em alguém, ou simplesmente mostrar para outro alguém o tal erro. Não existe nada mais mesquinho e corrosivo do que isso. Sério, estou cada vez mais intolerante com gente cheia de frescura e que não agrega, e aí não falo só de vida profissional não, falo de gente que não agrega pra vida de outra pessoa.

Tenho um amigo que sempre diz: “Existem dois tipos de pessoas no mundo: as que ficam do lado do problema, e as que ficam do lado da solução.”. É o famoso vai lá e faz. Tá ruim? Faz melhor, pombas (!). Quer criticar o trabalho do outro? Por que já não fez melhor? Sério mesmo, sem mimimi. O processo tá ruim? E o que tu fez pra melhorar a p.. do processo? O mercado é ingrato, é injusto? E o mundo, meu chapa, é justo pra quem? Tá frio? Bota um casaco, ou seja competente o suficiente na tua profissão para morar 6 meses no hemisfério norte e 6 no sul.

Tudo bem reclamar. Ninguém é de ferro (aqui, um exemplo), mas tem limite.

Sabe porque me parece isso? Parece que as pessoas desaprenderam a ouvir. Nesse mundo onde todo mundo tem tanta voz para falar qualquer merda na internet ou onde for, pouco tempo se “perde” ouvindo algo realmente interessante. Pouco tempo se “perde” se interessando por alguma coisa de verdade e tentando agregar, tentando ajudar, tentando fazer melhor. Parece que as pessoas desaprenderam a aprender com críticas. A ouvir calado mesmo que o outro esteja errado, e a provar por A + B sua posição com ações realmente relevantes, não com blábláblá.

Mostra a que tu veio, afinal de contas.
Foi só por isso? Ah, tá. Legal.

Mas não adianta, especialmente nessa nossa quitanda publicitária, parece que o legal é encontrar o defeito. Parece que é isso que te torna mais profissional, mais crítico, mais diva-abençoada-e-encantada-da-propaganda.

O crítico.

Não dá pra olhar algo e simplesmente admirar, aprender, arquivar, e, quem sabe, levar pra vida. Até o levar pra vida já parece que não acontece. Parece mesmo é que é a vida que leva essas pessoas de um lado para o outro, não elas que miram seus caminhos e objetivos.

Afinal de contas, qual é o objetivo de acordar de manhã?
Qual é o sentido da tua vida?

Enquanto você reclama, tem alguém ai inventando o próximo Facebook, onde você vai poder postar as próximas reclamações sobre a vida, sobre o chefe, sobre o trabalho, a namorada, o vizinho… ;)

João Silveira

Author João Silveira

More posts by João Silveira

Join the discussion 7 Comments

Leave a Reply

eleven − seven =