A hora de separar os homens dos meninos.

By December of 2011Blog, Caos, Cotidiano, Recortes
Janta Deprê?

Essa tal de geração Y tem mudado muita coisa no mundo, não?

Muitas delas eu agradeço, compartilho, e sou realmente a favor. O desafio às autoridades, a insatisfação com alguns assuntos, a busca por uma vida de acordo com seus anseios. Tudo isso é muito legal. Mas essa geração tem, a meu ver um sério problema: ela é, em sua maioria, uma geração de meninos.

Essa é a parte que me faz não ter orgulho de ter nascido no ano que eu nasci e, portanto, fazer parte dessa geração…

Uma das coisas que me identifico lendo a PDH é que “O homem muda de vida quando deixa de fazer o que tem vontade e começa a fazer o que tem de ser feito”. E esse é, para mim, o ponto de partida para definir se você é um homem, ou um menino.

Você conhece algum campeão de bola de gude no carpete?

Você conhece algum campeão de bola de gude no carpete?

Acho que, para receber o respeito do mundo, um homem precisa ter atitudes dignas de sua nomenclatura. Confesso que algumas vezes me pego deslizando em um ou todos esses pontos, mas é o deslizar consciente que nos torna mais dignos de algo diferente, de uma vida mais generosa. Não?

– Homens sabem apertar uma mão. Meninos tem a mão mole.

Sério, isso irrita muito. Não existe como fazer negócio com uma pessoa que te cumprimenta com a mão de uma criança. Tem meninos que parecem ter medo de marcar presença e imprimir seriedade. Parece desdém, prepotência. Mas também pode ser impotência. Não merecem meu respeito.

– Homens cozinham. Meninos aquecem no microondas:

Isso é básico, e, para mim, faz parte de uma tríade ligada à independência do homem: ele precisa saber cozinhar, lavar suas próprias roupas e manter sua caverna organizada. Se ele depender de alguém para fazer qualquer uma dessas coisas por que não se interessa ou nunca precisou, também não merece meu respeito. E, sinceramente, não merecia o de nenhuma mulher. Não sei porque, mas sempre achei que cozinha é o lugar definidor da personalidade de um homem, e que uma mulher pode não gostar de cozinhar, mas não nós.

Janta Deprê?

– Homens comem de tudo. Meninos tem nojinho.

Essa tá diretamente ligada com a anterior. Meninos choram se suas mães/esposas/etc. não fizerem um prato especial para eles – normalmente bife com “batatinha” – quando for dia de berinjela recheada. Um homem pode sim ter preferências por esse ou aquele ingrediente. Asco, não. “Toda mulher deveria desconfiar do desempenho sexual de um homem que não come de tudo”. No meu tempo não existia essa de cardápio diferenciado. Agora essas crianças cresceram (ou não) e ainda vivem de Miojo e Pastelina.

O que vão comer os pobres filhotes dessas criaturas?

– Homens sabem conversar. Meninos? Bem, depende…

Meninos normalmente só conversam com mulheres (ou meninas) quando tem interesses-extra no papo, ou conversam com outros meninos sobre papos de meninos. Homens tem o mínimo de conhecimento geral a respeito do que está acontecendo no mundo para usar em qualquer momento, com qualquer pessoa. E possuem opiniões próprias a respeito de um mínimo de assuntos, com culhões suficientes para expô-las, é claro.

– Meninos tem problemas. Homens resolvem problemas.

Essa é clássica, facilmente notável no ambiente de trabalho e uma das que mais me preocupa quando pensamos que essa geração vai tomar conta dessa bagaça em pouco tempo. Meninos adoram apontar os erros dos outros e camuflar os seus. E quem resolve os problemas e faz o mundo andar?

– Homens escolhem. Meninos sempre ficam em dúvida.

Menino: _ “Amor, onde vamos almoçar hoje?”
Mulher: _ “Não sei amorzinho, hoje você escolhe!”
Menino: _ “Ah, não môoor… Escolhe você…”
Mulher: _ “Ah… não sei… Onde podíamos ir?”
Menino: _ “Hmmmm… Cê que sabe!”

– Homens erram e aprendem. Meninos erram e se acuam.

Uma das maiores qualidades de um homem é assumir seus erros como um. Pedir desculpas se alguém se prejudicou com isso e seguir em frente, aprimorado. Meninos não admitem seus erros, jogam a culpa em quem estiver mais próximo, se acuam e/ou saem de fininho. Até que algum homem corrija o erro dele.

– Meninos não limpam o banheiro.

“Um homem só consegue parar de fazer cagada na vida depois que aprende a limpar sua privada”.
Sem mãe, sem empregada, sem esposa, sem camareira. Alguém aqui é hospede?

– Homens tem educação. Meninos não precisam dessas coisas.

Homens sabem como tratar seus colegas e funcionários, como gerir uma empresa ou uma parte dela. Sabem tratar uma mulher, mesmo sem estar sexualmente interessado. Sabem cultivar de verdade as amizades. Sabem escrever um e-mail. Sabem o nome do porteiro, do síndico, do manobrista do prédio. Sabem parar o carro para um pedestre atravessar na faixa de segurança. Sabem juntar o cocô do cachorro. Sabe ser generoso. Enfim, um homem de verdade sabe abrir mão de algo que goste por um sorriso, e sabe o quanto isso não tem preço.

Meninos são Rebeldes.

– Homens surpreendem suas mulheres. Meninos não entendem esse conceito.

Uma mulher não quer flores ou bombons todos os dias. Não quer um frouxo cheio de agrados sempre no rabo de sua saia. Mulheres querem ser surpreendidas, mas não por surpresas vazias e interesseiras. Elogiar quando elas cortam o cabelo radicalmente é muito fácil, nessa hora os meninos fazem fila.

– Homens educam seus filhos. Meninos, bem, os meninos…

Quando um homem tem um filho ele se torna um exemplo.
Quando um menino tem um filho, a menina passa a ter dois filhos. =)

Meet the bro's code?

Meet the bro's code?

– Homens tem amigos. Meninos tem “parceiros”.

Essa é bem difícil. Um homem é homem de verdade quando tem culhões para assumir uma amizade e ajudar um amigo. Pra dar um tapa na cara quando ele faz uma burrada. Pra chacoalhar quem está precisando de um empurrão. Pros meninos, qualquer coisa próxima disso é algo muito perto de afetar a sua afetadíssima masculinidade.

Convenhamos.

:)

João Silveira

Author João Silveira

More posts by João Silveira

Join the discussion One Comment

Leave a Reply

nine − five =